Wednesday, April 05, 2006

Blogues e jornais: crédito?

O que se escreve num jornal é mais digno de crédito do que o que se escreve num blogue? Um livro para ser lido sem preconceitos nem arrogância tem forçosamente de ser publicado em papel por uma editora comercial? E porquê, qual é o critério que permite hierarquizar? Não é tudo linguagem proveniente das mesmas falíveis ou surpreendentes capacidades humanas? O monopólio da "verdade" e da palavra, detido em teoria no passado pelo poder político, pela imprensa tradicional e pelas editoras, já se entendeu que só se impunha ou parecia impor-se por não haver possibilidade de lhe opor uma concorrência séria. Mas hoje há gente a escrever nos blogues com competência e lucidez iguais ou superiores às dos jornalistas. Tudo o que respeita à comunicação está a mudar radicalmente. A competição por enquanto parece favorecer o papel impresso, a rádio e a televisão, os "lobbies" de jornalistas e intelectuais com algum poder, já organizados em função de interesses pessoais e comuns. Alguns jornalistas tentam aumentar ou acautelar o poder e a influência que sentem escapar-lhes criando blogues (que funcionam também, quando necessário, como rede de cumplicidades e elogio mútuo). Mas perante quem e por quanto tempo é que esta situação de ambíguo e incerto privilégio se manterá ainda?

P.S. João Pedro George fez recentemente sobre este tópico uma série de observações interessantes. Ver Crítica literária: uma perspectiva sociológica.