Thursday, May 25, 2006

Luandino Vieira

(...)

Nessa hora de quase cinco horas, as folhas xaxuaIhavam baixinho e a sombra estendida estava boa, fresca, parecia era água de muringue. Sentado nas pedras negras do fumo, Zeca Santos esperava Delfina, mirando ansioso a porta da fábrica. Tinha combinado com a pequena, nesse dia ela ia pedir para sair mais cedo, iam dar encontro, Zeca queria continuar essas falas malandras do baile de sábado. Delfina merengara muito bem com ele e quando o conjunto depois arrebentou com a música do Kabulu, ninguém mais lhes agarrou, quase o baile ia ficar só eles os dois, toda a gente parada a assistir-lhes, vaidosos e satisfeitos. Daí é que nasceu a peleja com João Rosa, o rapaz andava perseguir a garota, queria-Ihe para ele, mas nessa noite Zeca Santos, com a satisfação dos olhos de Delfina, pelejava mesmo que eram muitos. A sorte ficou no lado dele, azar no lado de João Rosa, porque lá fora a luz era pouca e o rapaz usava óculos, falhou o soco na cara de Zeca e eIe então, sem custar nada, caçou-lhe o braço e passou-lhe a bassula nas costas, mergulhou-lhe em cima da areia.
Mas, mesmo que na peleja Zeca tinha ganhado, o mulato continuou vir buscar Delfina, com seu carro pequeno, muitas vezes costumava-lhe trazer também; nessa hora era já escuro, Zeca ficava raivado, pensando o silêncio e o escondido do carro, se calhar o sacrista adian¬tava apalpar as pernas na namorada muitas vezes, quem sabe? outras coisas mesmo, o carro estava-lhe ajudar...
Por causa essas coisas, nesse dia tinha decidido. Ou era dos copos de vinho no almoço e mais outro com Maneco depois que falaram no Sebastião, ou era ainda, cada vez ,essa promessa de trabalho que arranjara, a verdade agora estava ver tudo com mais confiança, satisfeito quase; sem ele querer ainda o pensamento do dinheiro para mandar consertar sapatos, muitas vezes umas calças novas, juntava-se com a figura de Delfina, com seu riso e seu falar, seu encostar pequeno e bom, na hora dos tangos, nas farras...

(...)

Luandino Vieira, "Vavó Xixi e seu neto Zeca Santos", Luuanda, 1965