Posts

Showing posts from August, 2006

jenter

Image

rostos de perfil

Image

a menina e as uvas

Image

Ibsen

Image

saber de ti

eu não saía do quarto nem de dia nem de noite. não me apetecia falar nem ouvir nem ver nem ser visto. não me apetecia pensar nem recordar-me nem imaginar o futuro. de dia eu abria ligeiramente uma das portadas da janela para deixar entrar um pouco a luz. de noite abria as duas portadas da janela para deixar entrar o ar. estava calor mas era suportável. de manhã estava sempre mais fresco. dormi muito e quando não conseguia adormecer tomava valium. às vezes doía-me a cabeça. para me manter em forma pedalava na bicicleta de ginásio no canto no quarto. telefonava para o supermercado e eles traziam-me o que eu pedia, leite e vinho, pão e queijo, batatas, arroz, tabaco, sal e açúcar, papel para escrever, o que era preciso. perdi a noção do tempo algumas vezes mas podia ligar o computador e sabia que dia era que horas eram em que mês estávamos. imagino que ninguém me telefonava mas isso eu não o podia saber porque eu tinha o telefone desligado e só o ligava para telefonar para o supermercado…

manequim

Image

praia

Image

duas cadeiras

Image

praia

Image

pessoas difíceis...

A sensação foi a mesma. Quando me ligaram a dizer que o XL tinha uma decoração nova, senti-me como quando soube que a mãe das minhas filhas tinha posto silicone. Corri para ver. Talvez o novo look tivesse mudado, ou compensasse, a atitude que nos aparta.
Há pessoas que se fazem difíceis. Umas, porque são muito boas; outras, porque são muito más. Todas me irritam: as boas, porque não havia necessidade de se fazerem difíceis (na restauração, é a experiência Galeria); as más, shame on us, porque só vimos que o rei ia nu a meio do cortejo (experiência Albatroz).
Mas o que me intriga são aquelas pessoas que se fazem difíceis porque sim. Como o XL.
Temos de tocar à campainha e depois esperar que nos abram a porta. Será que vão abrir? Demoram. Devem espreitar longamente pelo óculo, como uma velhinha num quarto andar sem elevador, na Ajuda, se lhe batem à porta depois do noticiário das oito.
Mas há um racional para casas de porta fechada. É que agora há muito crime, como em São Paulo, e o XL é nu…

love is serious stuff

i’m not sure you know I was impressed you know but love is serious stuff I’m not sure anyway I’m lost it’s too early I need to take a break my life is a mess a frase veio lá de trás eu ia sentado no comboio o porto ia-se afastando de nós o alfa deslizava silenciosamente como se escorregasse num mar de ar tranquilo eu olhava pela janela a paisagem distraidamente pensei eu também não sei nada eu também podia dizer que me sinto perdido mas não digo nada para quê não vale a pena e olhei para trás era um tipo loiro a conversar com uma rapariga deviam ser ingleses deviam estar de férias em portugal talvez fossem irmãos o rapaz era gordo e grande a rapariga era magra e tinha os cabelos castanhos aos caracóis eu abri um livro e preparei-me para ler um pouco a viagem seria relativamente curta em breve chegaria a lisboa onde me esperavam os meus amigos mas não consegui concentrar-me fiquei a pensar no que o rapaz tinha dito o amor é uma coisa muito séria de facto é ou antes depende nunca se pod…

À espera do comboio

Image

a dona do circo

cada um sobrevive como pode já se sabe o destino humano está longe de ser esplendoroso. a dona do circo era herdeira de uma família de saltimbancos trapezistas ilusionistas exilados domadores de feras palhaços e era uma senhora muito activa. pretendia-se modesta insignificante mas não lhe faltavam ideias nem ambições nem pretensão. nem amigos nem inimigos. não descansava de se excitar com permanentes iniciativas inaugurações programas espectáculos nunca vistos sempre originais. tirava da manga mágica de seda preta ou da cartola milagrosamente pombos e pombas lenços de todas as cores amarelos verdes vermelhos verdes lilás coelhinhos brancos. falo metaforicamente é claro. tudo o que se passava no circo era controlado vigiado pelo seu olhar de águia velha e pela fidelidade atenta de alguns lacaios que viviam da sua admiração e de adulá-la. dar ordens e sugestões aos empregados e aos inúmeros artistas do circo com a sua voz rouca ou usando os serviços dos seus lacaios permitia-lhe sentir-…

Coimbra

Image

Promoções

Image